Sérgio Conceição: “Taça de Portugal é um objetivo para nós”


Sérgio Conceição alertou para as dificuldades que o FC Porto vai enfrentar no Estádio do Mar, reduto do Leixões, encontro referente aos quartos de final da Taça de Portugal…

O FC Porto enfrenta esta terça-feira à noite o Leixões (19h30) e Sérgio Conceição fez hoje a antevisão da partida referente aos quartos de final da Taça de Portugal.

Os campeões nacionais têm o firme objetivo de marcar presença no Estádio do Jamor, palco da final da Taça de Portugal. Para isso, precisam de ultrapassar um adversário tradicionalmente difícil, sobretudo a jogar no seu reduto. Confira os temas que marcaram a conferência de imprensa do técnico do FC Porto.

A Taça de Portugal é um objetivo: Espera-nos um jogo difícil, contra uma equipa do escalão inferior, mas isso não é sinónimo de facilidades. Vai ser um jogo extremamente complicado, contra uma equipa muito apaixonada, aguerrida, com muita vontade de satisfazer os exigentes adeptos que tem. Temos de dar o máximo para conseguir passar às meias-finais. A Taça de Portugal é um objetivo para nós.

A gestão da equipa: Nós olhamos sempre para o jogo, que sendo o próximo é sempre o mais importante. O estado físico dos jogadores é um dado importante. A estratégia para o jogo, o adversário, tudo isso é metido na balança para depois escolher o melhor onze.

e Danilo de fora: O Maxi está fora, o Danilo está fora, o Brahimi vamos ver. Os outros estão em condições. A partir daí vamos ver qual é o melhor onze para amanhã. O Maxi ia hoje fazer um exame mais conclusivo, o Danilo é sempre uma incógnita, depende da recuperação do próprio jogador. Vamos ver, ainda não temos um período de paragem definido.

Jogo perigoso no Estádio do Mar: É um jogo perigoso, um jogo a eliminar, e num jogo tudo pode acontecer. Temos de estar precavidos para isso. Às vezes, sendo de um escalão inferior, quanto o árbitro apita isso nota-se pouco, em função de outros fatores.

Um adversário com qualidade: O Leixões vale pelo seu coletivo e tem um ou outro jogador perigoso na frente. Tem o Erivaldo na direita, tem o Evandro Brandão na esquerda, tem o Bura atrás que nas bolas paradas é importante. Tenho plena consciência do que o Leixões pode fazer coletivamente e individualmente. Depois, o jogo é num estádio mítico, o Estádio do Mar. Já tive a oportunidade de lá jogar e é sempre um estádio difícil.

Sobre a possível estreia de Pepe: O Pepe esteve seis semanas parado, vinha de trabalhar com uma equipa técnica com ideias diferentes das minhas. Precisa de conhecer um pouco melhor o que nós queremos. Mas ele é experiente e percebe mais rapidamente que um jovem. O Pepe esteve no banco em Alvalade, se esteve no banco é porque estava disponível para jogar.

Éder Militão já treinou com lateral direito? O Militão já treinou como lateral direito, assim como o Mbemba. É importante eles terem um conhecimento grande daquilo que são outras as posições em campo. Conhecendo as rotinas e as movimentações nas outras posições, todos os jogadores pensam da mesma forma. É dessa forma que se trabalha. Eles conhecem o que queremos para a equipa e estão bem identificados com o processo da equipa.

Treinador sem tempo para descansar: Por vezes não há descanso, mas é isto que nos move, esta paixão. Aligeirava um bocado se por vezes não ouvisse tantas barbaridades. Ouço coisas que nem tem a ver com críticas, são coisas fora do contexto, em relação à forma como estivemos em campo. Entrámos em Alvalade da mesma forma em que entrámos nos outros jogos, até para pressionar ainda mais alto. Mas jogámos sempre contra um adversário, e neste caso o adversário abdicou de pressionar e deu a iniciativa de jogo do FC Porto.